como tecemos

Como tecemos

‘Arte como poesia, Educação como Política’ é o pensamento síntese da nossa crença, de nossa visão e intenção de nosso fazer. Na Arte encontramos o movimento expansivo da criação e os processos de reinvenção do ser. Pela educação, apreendemos o ato de tomar parte pela partilha, e assim pensar as mudanças sociais e pessoais.  Saiba mais

 Como Tecemos

Como Tecemos

Ao desenvolver seus programas, tanto no campo da formação artístico-cultural, quanto na produção cultural bem como no trabalho de incidência política, o TEAR alcança diferentes e múltiplos territórios: institucionais e não institucionais, públicos e privados, acadêmicos e populares, entre outros espaços que possibilitem a expansão e disseminação de suas práticas e conhecimentos.

Como Tecemos

Em sua trajetória de atuação e de r-existência, o TEAR vem investindo na qualificação de seus propósitos, através de uma criteriosa investigação epistemológica em Arte Educação/Ambiental. Pautada no entendimento da Arte como cultura, conhecimento e expressão poética e política, a pedagogia adotada no TEAR colabora com a ampliação do ser/estar no mundo de tal modo que os sujeitos possam praticar a arte como ato de liberdade e de transformação social.

Artes Integradas

A concepção filosófico/metodológica bordada pelo Tear é nomeada Artes Integradas. Inspirada principalmente nas ideias de Paulo Freire, John Dewey, Herbert Read e Ana Mae Barbosa, tem como desígnio a inter e transdisciplinaridade e como fundamento quatro palavras princípio: Ser, Perceber, Pertencer e Criar. Esses traços que constituem a homologia dos processos tearteiros fazem emergir a singularidade de cada sujeito e seus diálogos interculturais, com o coletivo e com o ambiental. Essa construção desperta e problematiza o sentimento de pertencimento cultural, e contribui para dar a ver novos caminhos para a cultura em formação motivada pela capacidade criativa inerente à cada ser.

Como Tecemos

Dentro dessa abordagem filosófica, as práticas educativas, culturais e artísticas desenvolvidas pelo Tear ampliam e enriquecem percepções, compreensões e possibilidades de expressão e atuação dos sujeitos. Nesse sentido, as diversas linguagens da arte – artes cênicas, dança, música, literatura, artes plásticas e audiovisuais – dialogam com os demais campos do conhecimento, na interação com a cidade e com o meio ambiente, sem perder de vista a interculturalidade.

Pontão de Arte e Educação

Por assim ser, busca contribuir efetivamente na formação de sujeitos fruidores e criadores de arte e cultura, tanto na apreciação da leitura, na contextualização e no exercício reflexivo, como na forma de experimentação e de produção de conhecimento prático.

Como Tecemos

De maneira transversal, a concepção tearteira bebe diretamente na Cultura do Brincar -ao desenvolver a questão do caráter lúdico-brincante –  da Cultura Popular – no conhecimento e reconhecimento da cultura viva –  e na Bioética Ambiental – na preocupação e consciência sobre a sustentabilidade dos fazimentos cotidianos.  Da infância recupera-se o desafio da descoberta, e a capacidade quase instintiva de significar a vida pela inventividade. Sem se afastar do lúdico, o Tear assume uma participação política consciente, na relação com a sociedade e com a natureza, na inter-relação urbes/natura.