IMG_8373

Expedições peripatéticas com ginga carioca

cartografias dos passos e compassos do samba e da memória da cidade

Por Instituto Tear

Por onde Nosso Samba já Passou é um convite para se percorrer as narrativas da cidade do Rio de Janeiro, a partir das memórias do samba, é um convite aberto a vivenciar, sensivelmente, a mudança do espaço urbano e seu impacto em nós, e é também um convite a um abraço poético com a potência da cultura do povo negro e do samba carioca. 

Mas esse evento, que ocorre nesse sábado 16 de julho, não é apenas isso, mas a culminância de um processo, pautado pela vontade da partilha e da descoberta do que somos.  Desde abril de 2016 vêm acontecendo, no Pontão Tear, encontros de formação em Arte/Educação como Mediação Cultural, com representantes de coletivos, Pontos de Cultura e agentes culturais das regiões norte e sul da cidade do Rio de Janeiro.  Do encontro e reflexão desses participantes surgiu o Coletivo da Rota Rebouças, que propõe agora essa ação perambulante de mediação social e cultural.  

Ao longo dos encontros, discutimos o que é ser carioca e lançamos novos olhares sobre nossas ações, relações e fazeres pela cidade. Criamos algumas cartografias afetivas de reconhecimento dos  territórios onde praticamos nossas ações culturais e experimentamos juntos espaços e formas de habitar a cidade.  Percorremos as ruas tijucanas do Tear até a Praça Saens Peña desvelando os sentidos de sua história e de sua importância como terreno de convivialidade e produção de cultura no território.

IMG_7739 IMG_7737

IMG_7650

Seguimos com os nossos deslocamentos em expedições peripatéticas(*) pelos inícios e relevos do Rio. Passamos pela Fortaleza de São João na Urca, um dos marcos iniciais da cidade e expandimos nossas vistas aos desaterros do Rio, apreciando e poetizando os nossos relevos cariocas.  Além disso, com a mediação de Cláudio Honorato do Instituto Pretos Novos percorremos os caminhos da escravidão investigando vestígios de nossa ancestralidade. Num outro momento, ao som do surdo da Mangueira, acordamos e timbramos nossos tons e ritmos, ao comando de Mestre Georgie, abençoados por Carlota e Dona Zica.

Mas os percursos formativos não são apenas deslocamentos pelo espaço urbano, mas também um profundo mergulho estético reflexivo sobre o nosso fazer e nosso estar no mundo, como já entrevia nesse pequeno teaser que retrata um desses encontros…

Pontão Tear – Rota Rebouças from Instituto de Arte Tear on Vimeo.

Todas essas vivências e as respectivas mediações culturais, feitas pelos agentes de cada espaço, nos ajudaram a encontrar as senhas para a nossa  andarilhagem final.   Esse desfecho faz parte também da ação formativa Rota Rebouças, a segunda realizada pelo Pontão de Cultura e Educação Tear junto a coletivos e pontos de Cultura da cidade.

A oficina a céu aberto “Por onde nosso samba já passou” irá percorrer o bairro da praça Onze até o Largo do Estácio, em um percurso

Por onde Nosso Samba já passou é um evento em formato inusitado, por unir a ideia de uma oficina a céu aberto (tipo aulão) com atividades interativas de arte/educação. O trajeto que será percorrido rememora as ruas e histórias do samba carioca, reunindo as experiências do caminhar como ato poético.  Obras de Heitor dos Prazeres, as marchas e ranchos que compunham o cenário musical da Praça Onze, as memórias de Tia Ciata são alguns dos elementos a serem vivenciados ao longo desse encontro. 

Para dar gostinho de quero mais, partilhamos o documentário sobre Heitor dos Prazeres e sua morada, a lendária Praça Onze…

(*) Para quem não sabe, peripatético é um termo usado pelo Aristóteles para definir um método de ensinar passeando. Com essa inspiração seguimos com as nossas andanças.

Quer participar dessa última andarilhagem peripatética?
Confirme sua presença no Evento do Facebook e saiba mais sobre ele clicando aqui
13654176_1242926072385832_5233743304839577394_n

(*) As ações do Pontão de Cultura e Educação Tear contam com recursos da Lei Cultura Viva (Lei 13.018/2014), definidos em edital público que lhe conferiu o reconhecimento como Pontão em 2014.  
O uso das logomarcas responde a obrigações contratuais e não representa apoio político institucional.