11692726_785191628264132_1270569875183565531_n

Todo o poder da infância

 Mc Soffia, menina de 11 anos, manda a letra em seu rap de protesto

Editorial Tearteiro

11692726_785191628264132_1270569875183565531_n

“O meu cabelo não é duro, o meu cabelo é cacheado. Duro é o seu preconceito!”

Ela tem 11 anos e fala de questões cotidianas, sua vida na escola, na rua e nas suas relações sociais. Com um visual autêntico, Soffia descobriu o Rap como uma forma de se expressar e compartilhar com outras crianças, ideias e incômodos vividos no dia a dia.

Nessa brincadeira com um fundo de papo sério, a Soffia se entende como uma pesquisadora da cultura afro-brasileira e assim, vem ganhando espaço. Já esteve na Virada Cultural de São Paulo e em outros palcos da cidade.  A Mc fazia parte de um coletivo chamado Hip-Hop Kids, uma iniciativa que trabalha com crianças, em torno dos quatro elementos do Hip Hop: o graffiti, o break, mc’s e dj’s.

“MC Soffia na rima, representa o hip-hop e a questão feminina”

Imersa em um tempo que elege celebridades efêmeras e correndo num contra fluxo do funk ostentação adolescente, Soffia afirma sua identidade enquanto mulher e negra. Leva para as crianças e para os adultos as mensagens da resistência herdada de seus pais e reinventadas por sua imaginação de criança. Extrai da nossa história personagens como a Dandara, guerreira negra e companheira de Zumbi dos Palmares e outras inspiradoras heroínas e heróis brasileiros.

“Eu já quis ser branca, minha mãe quase surtou

Ao ouvi-la falar e ao assisti-la no palco, chama a atenção o modo fluido em que se articulam nela a cultura da infância, sua potência e imaginário, e as narrativas decorrentes do movimento negro e da cultura afro-brasileira, com uma boa dose de afirmação do lugar e da beleza da mulher negra.

É importante, no entanto, preservar e fortalecer esse lado criança, sua liberdade de brincar e criar, toda vez que seu sucesso nas redes sociais poder empurrá-la rápida e prematuramente no mercado da indústria cultural.  A dinâmica da produção cultural e sua lógica de sucesso e exposição, pouco ou nada tem a ver com o cuidado e o afeto, tão necessários ao desenvolvimento afetivo, criativo e social dessas pequenas pessoas em formação. Fica a Dica.

Assista a #MCSoffia em ação no mini documentário feito por  Emponderadas,  uma web série de entrevista que debate a identidade da mulher negra, a partir de depoimentos de outras mulheres negras de diferentes profissões.

Direção: Renata Martins

Link da página: http://institutotear.org.br/3752